domingo, 21 de dezembro de 2014

20% dos jovens brasileiro não trabalham nem estudam, diz IBGE

Um em cada cinco jovens brasileiros entre 15 anos e 29 anos (20,3%) não estudava nem trabalhava em 2013. O dado é da Síntese de Indicadores Sociais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o instituto, a faixa etária que mais concentra os chamados nem nem é a de 18 anos a 24 anos, em que 24% da população não estão nas escolas nem no mercado de trabalho.
Entre os de 25 anos a 29 anos, a proporção dessas pessoas é 21,8%. De acordo com os dados do IBGE, os nem nem são proporcionalmente mais numerosos entre as mulheres e as pessoas com até o ensino fundamental incompleto localizadas na Região Nordeste. Também estão mais concentrados nos domicílios com renda per capita de até meio salário mínimo.
A média de escolaridade dos jovens nem nem é 8,6 anos, enquanto a média da faixa etária chega aos 9,4 anos. Enquanto a média de jovens com filhos é 35%, entre aqueles que não estudam nem trabalham ultrapassa os 57%. Um em cada quatro desses jovens (26,3%) até chega a procurar emprego, mas não encontra, de acordo com a Síntese de Indicadores Sociais do IBGE.
O estudo comparou o mercado de trabalho de 2013 com o de 2004. Segundo a análise, no período, a população de 16 anos ou mais aumentou 18,7%, mas a população economicamente ativa, ou seja, aquela que trabalha ou procura emprego, cresceu apenas 13,6%. A maior parte dessa população acabou se deslocando para a população não economicamente ativa que não trabalha nem procura emprego, gerando um percentual de 30,6%.
“O crescimento da população não economicamente ativa pode ser explicada, por exemplo, por um prolongamento dos estudos [dos jovens]. Como você tem o mercado de trabalho exigindo mais qualificação, você tem a possibilidade hoje, pela ampliação da oferta de vagas no ensino superior, do não trabalho para permanecer estudando”, disse a coordenadora da Síntese, Barbara Cobo.
Mesmo assim, entre as pessoas não economicamente ativas, 22,2% eram jovens de 16 anos a 24 anos. Quarenta por cento deles tampouco estavam estudando. “É uma questão preocupante para as políticas públicas. Esse é o momento essencial para saber se esses jovens estão estudando e se qualificando, porque eles serão a força de trabalho dos próximos anos”, disse a pesquisadora do IBGE Cristiane Soares.
A pesquisa do IBGE revelou que a população total desocupada, em todas as faixas etárias, teve um crescimento maior (17,2%) do que a população ocupada (16,5%) no período. O emprego formal cresceu mais (47,8%) do que o informal (10,1%), mas o rendimento teve um crescimento mais expressivo nos trabalhos sem carteira assinada (51,8%) do que nos formais (26,7%).
As mulheres tiveram um desempenho melhor do que os homens no mercado de trabalho, com crescimento de 18,1% na população ocupada e 56% no emprego formal. Entre os homens, os índices de crescimento foram 15,3% e 42,4%, respectivamente.
A proporção de pessoas empregadas em trabalhos formais cresceu de 45,7% em 2004 para 58% em 2013. O crescimento ocorreu em todas as regiões do país, mas o Norte e o Nordeste apresentaram, em 2013, proporções de trabalhadores formais de 40,2% e 39,7%, respectivamente – índices inferiores à média nacional de nove anos antes. “O país está avançando, mas há um crescimento diferenciado [entre as regiões]”, apontou Cristiane.
Fonte: Agência Brasil

sábado, 20 de dezembro de 2014

Pagamento do IPVA 2015 começa no dia 30 de janeiro; veja a tabela

Foto: Carlos Lustosa/Cidadeverde.com

A Unidade de Administração Tributária (Unatri) da Secretaria de Fazenda do Piauí já publicou a tabela de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para 2015. 
O calendário mantém a divisão de pagamento pelo último número das placas dos veículos, com opções para se dividir em três parcelas ou pagamento de cota única. 
Carros e motos com final de placa 1, por exemplo, poderão pagar a cota única até o dia 30 de janeiro, ou dividir o pagamento do IPVA em três parcelas, divididas em janeiro, fevereiro e março.
A instrução normativa da Unatri, publicada no Diário Oficial da última terça-feira (16), passa a valer a partir de 1º de janeiro de 2015. 

Fonte:Cidadeverde.com

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Fundação Odilon Nunes firma parcerias no Fórum de Educação do Sinepe

A Fundação Odilon Nunes vai desenvolver projetos de responsabilidade social nas áreas de educação, cultura e inclusão social, em parceria com entidades como Ordem dos Advogados do Brasil e Fundação Gilberto Freyre. As parcerias foram assinadas no último dia 13, durante o Fórum de Educação, realizado pelo Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado do Piauí (Sinepe-PI). 


O presidente do Sinepe-PI, Dalton Leal, assina parceria com a Fundação 
Durante o Forum, foi formalizada a criação da Fundação Odilon Nunes, que nasce como braço do Sinepe-PI para o apoio e a realização de projetos educacionais e culturais. As parcerias foram assinadas com a OAB-PI (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Piauí), Fundação da Paz, Sistema S e com a Fundação Gilberto Freyre, de Recife (PE). O presidente do Sinepe-PI, professor Dalton Leal, disse que as parcerias vão possibilitar a execução de projetos que contribuirão para a construção da cidadania em bases sólidas.
“A Fundação Odilon Nunes nasce de mãos dadas com entidades e instituições que desenvolvem projetos que ajudam a pensar o desenvolvimento do Piauí com o aproveitamento correto de suas riquezas culturais e seus valores educacionais”, disse ele. Dalton frisou que o potencial da educação privada do Piauí pode ser revertido em benefício do estado. “O Piauí orgulha-se de ter uma educação privada de qualidade, e é nossa responsabilidade transferir conhecimento e colocar ferramentas à disposição de todos para aproveitar o potencial que temos nesta área”, conclamou.
O III Fórum de Educação colocou em debate a cultura popular nas escolas e os desafios da educação num ambiente em que as modernas ferramentas tecnológicas interferem diretamente no processo de ensino e aprendizagem. O evento contou com palestra do sociólogo Gilberto Freyre Neto, da Fundação Gilberto Freyre, e aula espetáculo do humorista João Claudio Moreno.
Fonte: Cidadeverde.com

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Trabalhador do PI ganha em média R$ 827,00 - menor rendimento do Brasil



Trabalhadores piauienses tinham o menor rendimento médio do Brasil em 2013 - é o que revela a Síntese de Indicadores Sociais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quarta-feira (17). 
A renda média dos trabalhadores do Estado era de R$ 827,00. Em segundo lugar está o Ceará, com R$ 859. O Piauí também tem um destaque negativo na renda per capita familiar: 83,2% das famílias possuíam uma renda per capita menor que um salário mínimo. Ou seja, cada membro da família ganhava menos de R$ 678,00 [salário mínimo do ano passado].
Esse é o quinto pior desempenho entre os Estados brasileiros, igualado à Bahia, e ficando atrás apenas do Ceará (83,4%), Sergipe (83,6%), Maranhão (84,8%) e Alagoas (86,5%).

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

IBGE: produção agrícola de 2014 deve superar a do ano passado O instituto espera que sejam colhidas neste ano 194,5 milhões de toneladas de cereais



A safra de 2014 deve superar a de 2013 em 3,3%, divulgou nesta quarta (10/12) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na estimativa de novembro. O instituto espera que sejam colhidas neste ano 194,5 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas, montante que supera em 0,5% (1 milhão de toneladas) o que foi previsto para o ano, em outubro.
O IBGE também elevou a expectativa ao divulgar o segundo prognóstico de safra de 2015, que cresceu 3,9% em relação à projeção anterior, chegando a 202,1 milhões de toneladas.
A maior parte da produção brasileira prevista para 2014 está concentrada nas regiões Centro-Oeste e Sul, que responderão por 42,8% e 37,1%, respectivamente. Enquanto o Centro-Oeste deve aumentar a produção em 5,9%, em relação a 2013, o Sul deve ter diminuição de 1,2%. O maior incremento está previsto para a Região Nordeste, de 31,9%, seguido do Norte, com 5,9%. Para o Sudeste, está prevista produção 9,3% menor.
Quase um quarto da produção nacional de grãos de 2014 (24,3%) deve sair de Mato Grosso, seguido do Paraná (18,4%) e do Rio Grande do Sul (15,5%).
A estimativa de safra contabiliza as produções de algodão herbáceo (caroço de algodão), amendoim (em casca), arroz (em casca), feijão (em grão), mamona (em baga), milho (em grão), soja (em grão), aveia (em grão), centeio (em grão), cevada (em grão), girassol (em grão), sorgo (em grão), trigo (em grão) e triticale (em grão).

Fonte: Com informações Agência Brasil

Inscrições para concursos literários terminam na sexta-feira (19)

O prazo para inscrições no Concurso de Contos e no Concurso Literário Novos Autores se encerra nessa sexta-feira (19). As premiaões são promovidas pela Prefeitura de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMCMC).
O Concurso de Contos Prêmio Cidade de Teresina – Edição 2014 tem como finalidade premiar autores de contos situados em Teresina, ou que tenham a cidade como referência, dando ênfase às manifestações culturais locais, a seu espaço físico ou a história do município. Os trabalhos deverão ser inéditos e cada autor poderá concorrer com até dois contos de sua autoria.
A FMCMC também vai promover o Concurso Literário “Novos Autores” – Prêmio Cidade de Teresina - Edição/2014. Ele tem como finalidade premiar autores piauienses inéditos, nas categorias Pesquisa Histórica Sobre a Realidade Piauiense, Ficção, Poesia, Peça Teatral e Literatura Infantil.
O lançamento das obras e a entrega das premiações serão realizados em cerimônia pública. Mais informações e o regulamento sobre os dois prêmios os interessados poderão encontrar no site da FMCMC: http://www.fcmc.pi.gov.br. Confira as premiações de cada evento: 
Concurso de Contos Prêmio Cidade de Teresina – Edição 2014:
1° lugar: publicação pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, na Revista “Cadernos de Teresina”, além da quantia de R$ 2.000,00 (dois mil reais) e outorga de menção honrosa;
2° lugar: publicação pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, na Revista “Cadernos de Teresina”, além da quantia de R$ 1.000,00 (um mil reais) e outorga de menção honrosa;
3° lugar: a quantia de R$ 500,00 (quinhentos reais) e outorga e menção honrosa.
Concurso Literário “Novos Autores” – Prêmio Cidade de Teresina - Edição/2014:
As obras classificadas em 1° lugar, de cada categoria, terão publicação de 1.000 exemplares pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, além da outorga de certificado de premiação. Aos segundo e terceiro classificados, de cada categoria, serão outorgadas menção honrosa.
Fonte: Cidadeverde.com

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Autores brasileiros serão homenagiados no Salão do Livro de Paris

Ana Miranda, Bernardo Carvalho, Daniel Galera, Fernanda Torres, Patricia Melo e Paulo Coelho estão entre os 48 autores que representarão o Brasil no Salão do Livro de Paris, que acontece entre 20 e 23 de março de 2015. O evento literário homenageia o Brasil, daí a participação do grande número de escritores brasileiros.
Fernanda Torres, Daniel Galera e Paulo Coelho: representantes do Brasil no Salão do Livro de Paris - Fotomontagem


A lista completa foi divulgada na manhã desta terça-feira na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Segundo o Ministério da Cultura e a Câmara Brasileira do Livro (CBL), os critérios de seleção foram: autores com obras traduzidas para o francês; equilíbrio na seleção (incluindo autores novos e consagrados); abrangência de diversos gêneros literários; oportunidade igual para homens e mulheres e produções com diversidades étnicas e culturais de profissionais de várias regiões do país.
Os curadores do evento são a escritora e criadora do Fórum das Letras de Ouro Preto, Guiomar de Grammont, e o professor de literatura na Universidade de Sorbonne Leonardo Tonus. Foram eles os responsáveis pela seleção de 45 escritores. Os três restantes — Ana Maria Machado, Antônio Torres e Nélida Piñon — foram escolhidos e serão levados a Paris pela Academia Brasileira de Letras.
— É um time de primeira linha. Estou certa de que o vento dará visibilidade a nosso país e será um sucesso —declarou a ministra interina da cultura, Ana Cristina Wanzeler.
Por ser o país homenageado na 35ª edição do Salão de Paris, o Brasil terá um espaço de 500 metros quadrados para a venda, exposição de livros e palestras com autores.
— A Fnac será responsável pela comercialização de livros. A exemplo do que foi feito na Feira de Frankfurt, haverá um espaço para negócios, um auditório e um ambiente para exposição — explica Karine Pansa, presidente da CBL.
O investimento total para a participação o Brasil no evento foi de R$ 4 milhões.
— Os recursos vieram do MinC e do Ministério das Relações Exteriores. Também houve, por meio da CBL, captação via Lei Rouanet — informa Fabiano dos Santos, diretor do livro, leitura e bibliotecas do MinC.
Para a curadora Guiomar de Grammont, o conjunto de 48 autores selecionados apresenta um Brasil plural, que é ao mesmo tempo o do centro e da periferia, formado por regiões que compõe um país multifacetado, culturalmente rico.
— Apresentaremos um retrato da diversidade étnica e cultural do Brasil, um país em que muitas pessoas que não tinham acesso à escrita, passaram a ler, compreender e escrever livros — afirmou a curadora.
Incluir vozes que chamassem atenção para a necessidade de preservação do meio ambiente foi importante para o processo de seleção.
— É uma questão crucial, hoje, em todo o mundo, mas sobretudo no Brasil, que possui a maior floresta do mundo e povos que nela habitam e dela tiram sua sobrevivência — explica Guiomar.
A negociação com Paulo Coelho foi, segundo a curadora, "positivamente surpreendente".
— Mandamos o convite a ele e, em seguida, ele pediu meu telefone por e-mail. Me telefonou e falamos por uns 40 minutos, mais ou menos, sobre diversos assuntos, inclusive sobre o advento do e-book. Em seguida, ele me enviou, por e-mail, o aceite em papel com o timbre da ABL — lembra Guiomar.
Confira abaixo a lista completa dos autores escolhidos para participar do Salão do Livro de Paris:

Adauto Novaes (Categoria Ciências Humanas)

Adriana Lisboa (Categoria Ficção/ Infanto-Juvenil)

Adriana Lunardi (Categoria Ficção)

Affonso Romano de Sant'Anna (Categoria Ensaio)

Alberto Mussa (Categoria Ficção)

Ana Miranda (Categoria Ficção)

Ana Paula Maia (Categoria Ficção)

Angela Lago (Categorias Ilustração e Infanto-Juvenil)

Bernardo Carvalho (Categoria Ficção/Dramaturgia)

Betty Milan (Categoria Ficção)

Betty Mindlin (Categoria Ciências Humanas)

Bosco Brasil (Categoria Dramaturgia)

Carola Saavedra (Categoria Ficção)

Cristóvão Tezza (Categoria Ficção)

Daniel Galera (Categoria Ficção)

Daniel Munduruku (Categoria Infanto-Juvenil)

Davi Kopenawa (Categoria Ciências Humanas)

Edney Silvestre (Categoria Ficção)

Edyr Augusto (Categoria Romance Policial)

Fabio Moon (Categoria Quadrinhos)

Fernanda Torres (Categoria Ficção)

Fernando Morais (Categoria Ciências Humanas)

Ferréz (Categoria Ficção)

João Anzanello Carrascoza (Categoria Ficção)

Leonardo Boff (Categoria Teologia/Ciências Humanas)

Lu Menezes (Categoria Poesia)

Luiz Ruffato (Categoria Ficção)

Marcelino Freire (Categoria Ficção)

Marcello Quintanilha (Categoria Quadrinhos)

Maria da Conceição Evaristo Brito (Categoria Ficção)

Marina Colasanti (Categoria Ficção/ Infanto-Juvenil)

Michel Laub (Categoria Ficção)

Milton Hatoum (Categoria Ficção)

Paloma Vidal (Categoria Ficção)

Patrícia Melo (Categoria Romance Policial)

Paulo Coelho (Categoria Ficção)

Paulo Lins (Categoria Ficção)

Ricardo Aleixo (Categoria Poesia)

Rodrigo Ciríaco (Categoria Ficção)

Roger Mello (Categoria Infanto-Juvenil)

Ronaldo Correia de Brito (Categoria Ficção)

S. Lobo (Categoria Ilustração/Quadrinhos)

Sérgio Rodrigues (Categoria Ficção)

Sérgio Roveri (Categoria Dramaturgia)

Tatiana Salem Levy (Categoria Ficção)

Autores da Academia Brasileira de Letras:

Ana Maria Machado (Categoria Ficção Infanto-Juvenil)

Antônio Torres (Categoria Ficção)

Nélida Pinõn (Categoria Ficção)

Fonte: O Globo

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Insônia infantil é normal ou merece mais atenção?

Dormir. Repousar. Recuperar energias. Crescer. E quando isso não acontece de forma adequada com a gente? Ou pior... E quando isso não acontece de forma esperada com nossos filhos?
Não há como negar que um dia ruim começa mesmo por uma noite mal dormida. E a insônia, que é uma situação que pode afetar tanto adultos quanto crianças, pode ser tanto o demorar para adormecer quanto ter o sono interrompido por qualquer razão, com dificuldade de adormecer novamente.
Quando falamos em crianças, cada idade pode ter algum fator que interfere no sono de uma criança: desde as cólicas, os gases e o refluxo ácido de bebês; além dos quadros febris, questões emocionais (nascimento de um irmãozinho, entrada na escola), ansiedade, depressão, falta de rotina, mudança no dia a dia (em uma viagem, por exemplo).


O pediatra é um profissional que acompanha a saúde da criança e suas alterações. E qualquer mudança sempre deve ser comunicada a ele, até para que ele possa utilizar as informações para uma melhor orientação dos pais e da família. Muitos mitos não são esclarecidos por serem de "conhecimento público" e os pais, imaginando que são situações corriqueiras, não informam o pediatra.
É como os pais acharem, por exemplo, que para fazer a criança dormir melhor à noite, é importante cansá-la bem durante o dia e assim, antes de ela ir dormir, é bom que ela corra bastante. E se essas são situações que se não forem discutidas com o pediatra podem se perpetuar e causar transtornos importantes no sono da criança.
Mas quando a insônia merece atenção especial?
As situações mais importantes são as que estão relacionadas a transtornos ou mudanças da rotina da criança. Falta de atenção, muita irritabilidade, apneias de sono, falta ou excesso de apetite, cansaço excessivo estão entre as questões que merecem uma atenção mais especial.
Uma falta de rotina na hora de dormir pode fazer com que crianças que já frequentam escolinha (ou escola) durmam muito tarde, acordem muito tarde e não tenham tempo de tomar café ou de almoçar em um prazo adequado. Assim, a queixa que traz essas crianças ao pediatra é: "Meu filho não come", quando na verdade deveria ser "Meu filho não dorme".
Estudos mostram que crianças com TV no quarto têm mais dificuldade em adormecer. Assim, não é interessante que crianças tenham equipamentos que possam distrair sua atenção no quarto de dormir, como TV, DVD, computadores, videogames... Há que se ter uma recomendação quanto ao tempo gasto com esse tipo de atividade diariamente, recomendada para um máximo de 2 horas ao dia (somando tudo).
Até os 3 anos de idade, em média, a soneca do dia é fundamental para o sono noturno adequado das crianças durante a noite. Mas é importante ter atenção para que essas sonecas não ocorram após as 16 horas. Isso pode fazer com que a criança possa não ter sono em um horário adequado.


Buscando soluções
Para começar a tentar resolver a insônia, o ideal é impor uma rotina, é tudo o que uma criança precisa. Respeitar seu ritmo, principalmente. Se quando mudamos para o horário de verão, uma hora mais cedo ou mais tarde já faz uma diferença enorme para nós, imagine para uma criança.
Questões como jantar não muito pesado, evitando-se café, chás escuros e refrigerantes tipo cola - que na realidade devem ser evitados mesmo sem essa questão do sono, não é? O leite, pela presença de triptofano, favorece o sono também.
Um banho morno, uma diminuição de ritmo, um ambiente favorável, acolhedor, pouca luz, pouco barulho, uma historinha contada pelos pais... Tudo isso pode fazer milagres nessa hora. E se nada disso resolver, conversar com o pediatra sobre isso é o caminho a seguir.

Fonte: Minha Vida